EIXO 4: Movimentos Sociais e Rebelião

 

Ementa:

 

                Os conflitos pela conquista de novos direitos e pela ampliação de garantias obtidas são correntes em meio a uma sociedade hegemonizada pelo Capital. Inúmeras contradições acumulam-se quando há negligência em o Estado prover cuidado, e, igualmente, quando é provido de forma desconectada de legitimidade com os seus beneficiários.

                Assim, é inocultável a insatisfação histórica dos setores marginalizados em relação às políticas que os incidem. Porém, esta insatisfação, e as respostas, estas também políticas, construídas para manifestá-la, não são homogêneas no seio social. Há uma plêiade de métodos empregados tanto para a análise da contradição, quanto do melhor percurso para se atingir a conquista do direito.

                Nesta perspectiva, lato sensu, os movimentos sociais disputam a construção política interpretando o conflito com a Institucionalidade de forma diversa. Há os que se pautam pela substituição do exercício do Estado, sobretudo quando de sua atuação defasada; os que concorrem e competem com sua ação, compondo com seus exercícios quando julgam tático para efetivar as disputas; e os que repudiam interlocução com estas qualquer forma institucionalizada de poder.

                Indicar processos unitários e construção de significados comuns na luta pela manutenção e conquista de direitos pode interessar com intensidades diversas aos movimentos sociais, como forma de disputa política substanciosa, contudo trata-se proposição inocultável diante da retração de garantias e supressão de direitos nos momentos de crise estrutural.

 

Palavras chave (para ajudar na inscrição dos trabalhos): conselhos de saúde; movimentos sociais; movimentos de base; representatividade e representação na sociedade; participação popular; educação popular em saúde; mobilização social; conselho gestor; controle social; ….